O CANTO DOS OPRIMIDOS

Sustentabilidade e Democracia

expo-portinari-05g

Foto: Jó, de Cândido Portinari (1944)

Autor: Sandro Ari Andrade de Miranda

Ouço gritos de desespero, que bradam sem cessar.

De onde vêm?

De todos os lugares, talvez de nenhum.

São as vozes daqueles que sofrem.

Encontram-se esquecidos nos velhos depoimentos.

Estão perdidos em textos e documentos empoeirados.

Talvez amassados em números.

Ouço o canto dos oprimidos, que clamam por decisões.

Acreditam em sonhos distantes, e gritam para sem ouvidos.

São sons perdidos em desertos, escondidos por entre dunas revoltas.

Sofrem com a violência e a opressão, temem abrir os olhos.

Não acreditam no futuro, nem em artes cândidas.

Estão cansados do suplício e esperam muito de vós.

Clamam por uma regra que os liberte, que conquiste seus corações.

Não aguentam mais a força que suprime as suas opiniões.

Querem paz e justiça, aspiram no fundo a igualdade!

Amam sem ter amor, desejam mesmo sem poder,

pois mesmo doentes, sofridos…

Ver o post original 3 mais palavras

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s